Skip to main content

Dicas de um viajante experiente

Quem faz viagens de aventura, exóticas ou de voluntariado, é muito comedido na hora de arrumar as malas. Muito volume dá muito trabalho. Alberto Escosteguy partiu há 2 dias para o Canadá, e depois irá iniciar a viagem para a Ásia, que documentaremos aqui, dia após dia. Viajou sem despachar bagagem, com apenas uma mala de mão e uma mochila.

E outra: vestiu trajes confortáveis para não ter problemas durante o vôo, e também para aproveitar suas 15 horas em São Francisco, conexão de seu trajeto.

Chinelos, calça jeans, um casaco… pouca coisa mesmo.

Alberto tinha seu roteiro preparado quando descobriu um grupo no Facebook onde um guia balinês falava sobre a região, os passeios e as atrações. Mudou tudo. Para melhor. Falaremos disso mais adiante…


Luciano Boiteux

Equipamentos essenciais para o viajante aventureiro

Se você gosta de aventuras, viajar de mochila nas costas para lugares diferentes, curtindo a natureza e o que ela oferece, acampando no mato ou na praia, com pouca ou muita dependência dos recursos naturais, é importante levar consigo algumas “essencialidades”.

COBERTA DE ALUMÍNIO

Pode parecer besteira, mas muitos aventureiros já pereceram porque foram surpreendidos por uma mudança brusca de temperatura e não tinham – justamente por viajarem com pouquíssima bagagem – nada para se aquecer. Uma coberta de alumínio, ou saco de dormir de emergência, pesa cerca de 100 gramas, ocupa pouquíssimo volume e pode fazer a diferença. Custa algo entre 25 e 30reais.

 

 

 

.

PEDERNEIRA

Uma pederneira é um pequeno objeto que te ajuda a acender uma fogueira. Para fazer fogo e conseguir se aquecer, ou mesmo afastar animais selvagens, é preciso basicamente de algum material que pegue fogo facilmente e faíscas. E, acredite, produzir faíscas não é a coisa mais fácil do mundo. Com uma pederneira, você raspa uma barra de metal duro em uma haste de magnésio, acendendo o estopim com certa facilidade. E aí adiciona gravetos secos, folhas… para depois colocar galhos maiores.

 

 

.

GARRAFA TÉRMICA

Existem garrafas térmicas de vários materiais e volumes. Obviamente que, em um mundo civilizado, você pode comprar uma garrafa de água mineral antes de começar a sua aventura. Quase ninguém pensa em uma garrafa térmica… até se aventurar em baixíssimas temperaturas e descobrir que sua água virou gelo e não terá como beber sem rasgar a garrafa e aquecer a água… É bem chato! Existem garrafas pequenas, de meio litro, até as grandes, de 1,5 litros ou mais, mas recomendamos que seja de alumínio e tenha ao menos 600 ml. Este modelo da foto pode ser melhor fixado à sua mochila. Custa de 30 a 44 reais.

 

 

.

CARTÃO DE UTILIDADES

Um cartão de utilidades, em ambiente urbano, pode ser um Amex ou Visa, mas no mato ele servirá para pouca coisa. Se você tiver um cartão de sobrevivência multifuncional, que custa cerca de 20 reais, com serra, régua, faca, guia de direção, abridor de latas etc., vai ser bem interessante.

 

 

 

 

.

PURIFICADORES DE ÁGUA

É importante lembrar que a água que você carrega em seu recipiente é para emergências. Se você está em uma trilha de mais de um dia, terá, em algum momento, que usar a água que encontrar, para escovar os dentes, se refrescar, se lavar ou mesmo beber. Se puder ferver a água por ao menos 10 minutos, ela ficará livre de parasitas e bactérias, ainda que não tenha a melhor das aparências. Mas nem sempre é possível fazer isso. Compra as pastilhas de Cloro-in ou as gotinhas de Hidrosteril, utilize-as de acordo com as instruções da embalagem e proteja a sua saúde.

 

 

.

REPELENTE DE INSETOS

Além de serem vetores de diversas doenças, como a febre amarela, chicungunya, dengue etc., os mosquitos causam um certo desespero nos aventureiros, principalmente em matas úmidas e tropicais. A melhor maneira de evitá-los é utilizando repelentes, de preferência os que têm efeito mais prolongado, como o Exposis Extrême, que custa cerca de 50 reais, mas protege por 10 horas quando aplicado corretamente.

Por hoje é só. Nos próximos posts, mais dicas MONDO BLU para os aventureiros!

Viu o da mochila? E o da lanterna?

 

 

.


Luciano Boiteux

Lanterna Toolmix bivolt recarregável

Sim, você precisa de uma boa lanterna. Muitas opções de voluntariado, ou mesmo de viagens exóticas, envolvem um contato amplo e direto com a natureza. E, não sei você, mas eu não fico nem um pouco confortável no escuro, em qualquer lugar que não seja a minha casa. Uma boa lanterna deve:

  • ser recarregável. Pilhas e baterias são caras;
  • ser de LED. A tecnologia é moderna, barata, leve e com bom desempenho;
  • ser bivolt. Nem todo lugar tem a mesma voltagem de nossas casas;
  • iluminar bem;
  • ter a bateria durável;

Indicamos a lanterna Toolmix porque esta possui todas as características acima. Pode ser usada durante 8 horas na luz máxima, ou 16 horas na posição econômica. Seu facho é do tipo farol, e seus 3 LEDs garantem a tranqüilidade do viajante aventureiro.


Luciano Boiteux

crédito: Shutterstock

Mochila Militar Invictus Assault

crédito: Shutterstock

Quando vamos passear no parque ou andar na rua, escolhemos nossas mochilas normalmente usando o critério estético. É bonita, está na moda, tem compartimento para notebook?

Se vamos, porém, a uma aventura, fazer uma viagem na qual a mochila será a centralizadora de nossa água, nossas provisões, das nossas poucas peças de roupa (que devem se manter secas) e de nossos equipamentos (Alberto Escosteguy – nosso viajante –  já teve até que carregar spray contra ursos, no Pólo Norte), e ficará em nossas costas durante dias, semanas e até meses, esta deve ter características diferenciadas:

  • ser leve, prática e confortável;
  • ser impermeável;
  • ter muitos compartimentos;
  • ser discreta e, se possível, de cor neutra em relação aos locais da aventura;
  • ter costuras reforçadas, para não nos deixar na mão;
  • possuir boas correias e cintos de fixação ao corpo;
  • acomodar refil de hidratação;

A marca recomendada é a INVICTUS, que desenvolve mochilas para uso tático (militar ou civil) e para esportes de aventura. Os modelos custam algo entre R$ 180 e R$ 300.


Luciano Boiteux