Skip to main content

Olhe Bem as Montanhas…

Exatamente como eu havia previsto no post anterior, escrevo agora no aviāo indo de Calgary para Victoria, em BC. Esta viagem nos proporciona uma paisagem única e de beleza ímpar, pois o voo sobrevoa o pico das Montanhas Rochosas. A cada estaçāo a paisagem muda completamente. A primeira vez que fiz foi no auge do inverno e as montanhas haviam se vestido de branco, rios e lagos congelados e um céu azul inspirador. Sublime! As outras vezes foram no verāo e agora na primavera. Se eu fosse sugerir a melhor época para esta viagem, nāo teria dúvidas: venha na primavera.

.

O pico das montanhas ainda estāo brancos de neve mas como o degelo está a todo vapor (sem trocadilhos haha), o verde das encostas é rasgado por filetes de rios branco semi-congelados, formando um cenário de filme. Outra vantagem é que se você voar pela Air Canada, irá em um aviāo pequeno em funçāo da curta distância. Bom para os passageiros, já que nos pontos mais altos, passamos não muito distante dos picos nevados, mas com altura totalmente segura. Vale a pena fazer esta viagem. Se você nāo quiser ir até Victoria, faça Calgary- Vancouver e terá o mesmo espetáculo.

.
Mais uma vantagem de conhecer as montanhas do oeste canadense é que a temperatura já nāo está absurdamente quente como em julho e agosto mas também nāo fará o frio absurdo do inverno, onde as temperaturas chegam facilmente a -25 C. Na primavera, nas montanhas, você ainda terá alguma neve e ao mesmo tempo desfrutará de dias indo de 5C a 20 C.

.

Se você quiser vir para esta regiāo com intençāo de participar de programas de turismo voluntário, como o Workaway ou o HelpX, a primavera é também a melhor época, pois os Hostels e hotéis estāo se preparando para o verāo e há muitas oportunidades, assim como nas fazendas e sítios, quando termina o inverno e é hora de “acordar” as plantações. Da mesma forma, a fauna local também acorda e, como está faminta, é bem mais fácil de avistar os alces, veados, jackrabbits, gansos e patos canadenses que chegam para a procriaçāo e… ursos.

Try to count the tulips in this one.

.
Por fim, a primavera, sobretudo o mês de maio, traz um presente tanto para os locais como para os turistas que rara beleza: as orquídeas da montanha e as lindas tulipas… muitas tulipas! Esta flor só “acontece” uma vez por ano e sempre no mês de maio. São lindas e vêem de todas as cores: azul, vermelho, amarelo, branco, negro e uma combinaçāo híbrida de todas essas cores. A primavera é mesmo uma festa nas montanhas canadenses


Alberto Escosteguy

Verão em Vancouver: 5 opções longe de turistas barulhentos e de graça

O verão é a estaçāo preferida dos canadenses e nāo é difícil imaginar o motivo. Mesmo em Vancouver (onde os invernos sāo mais amenos e a neve nāo atrapalha ninguém por quase nāo aparecer por aqui) o verāo é celebrado com festas. O canadense é essencialmente um amante da natureza e das atividades ao ar livre. No verāo esta vocaçāo atinge sua plenitude. Como as férias escolares também sāo nesta época, os pontos mais turísticos nāo estarāo necessariamente tranqüilos. A nāo ser que você seja um local e conheça lugares que nāo estāo nos guias online ou nas livrarias.
O Mondoblu vai te ajudar nisso. Listamos aqui alguns dos points no verāo freqüentados pelos “Vancouverites” mais descolados e longe da horda de turistas barulhentos. Para saber como chegar em cada um desses lugares basta entrar no site correspondente.

    The Juan de Fuca Trail – Apesar de fazer parte da cidade de Victoria, na Ilha de Vancouver, é considerada uma das melhores trilhas nāo-planas do mundo e muito frequentada por quem mora em Vancouver. Assim, com toda sua beleza e tranquilidade, resolvemos inclui-la nesta lista. A trilha tem 42 km e se estende ao longo da costa oeste da Ilha de Vancouver, a 40 minutos de ferry boat da cidade, entre o rio Jordan e Port Renfrew e passa por uma série de praias deslumbrantes, tais como a Mystic Beach e Sombrio Beach. Se você for chegado a uma aventura mas com segurança, a dica é reservar uns quatro dias para a trilha, acampando nas praias quase desertas e muito seguras. Só nāo esqueça de levar botas de borracha para caminhada e procure acampar na praia, ao invés de dentro das majestosas florestas da ilha.
  • Cape Scott –  Situada na região noroeste da ilha de Vancouver, esta é outra trilha incrível mas de grau um pouco mais avançado que San Juan. Para chegar lá, você precisa viajar 64 km a oeste de Vancouver chegar a este lugar totalmente isolado, onde você pode se aventurar se em muitas caminhadas, visitar praias de areia branca e percorrer as florestas tropicais temperadas de BC. Os caminhos preferidos dos locais sāo o próprio Cabo Scott Trail (18 km) e a North Coast Trail (58 km). Você acampar durante a noite nas praias mas leve repelente pois há muito mosquito e spray contra urso. Isso mesmo. Lá tem ursos e coiotes, mas eles nāo te atacam, se você nao os incomodar.
  • Desolation Sound – Localizado na confluência de Malaspina Inlet e Homfray Channel, Desolation Sound é o sonho de qualquer navegante: águas quentes e calmas e mais de 60 km de costa. Há muitas ilhas e enseadas para você explorar por lá, o que significa que este é também um local ideal para praticar caiaque e mergulho e snokeling. Mas aqui há um porém: Você vai precisar de um barco para chegar lá. Todavia, se você gosta de silêncio, tranquilidade, águas mornas e muita aventura, certamente valerá a pena ! Aqui você pode acampar em um dos muitos campings que existem por lá e passar alguns dias nesta jóia de BC escondida do resto do mundo.
  • Tofino: A capital do surfe do Canadá – OK, este destino nāo é isolado e nāo está livre de turistas barulhentos. Mas se você gosta de surfar ou fazer bodyboarding (como eu), Tofino tem umas das melhores ondas da costa oeste e tubos que você não vai acreditar que eram possíveis. A água é gelada e você vai precisar de neoprene. Com 35 quilômetros de praias de areia e a maioria surfável com temperatura da água constante durante todo o ano de 10°C , Tofino, Tofino BC é realmente a capital do surfe no Canadá. Tem onda para todo gosto: de ” hpwles (iniciantes) a profissionais experientes, surfistas de todos os níveis vāo adorar Tofino. As três principais praias para surfe de de Tofino sāo: Chesterman Beach, Cox Bay e Long Beach.
    Há etapas de campeonatos mundiais em Tofino, quando a hospedagem fica mais cara e as praias cheias de barracas de camping, mas se você curte campeonatos, os principais sāo:A) Queen of the Peak, em setembro- campeonato FEMININO de surfe B) Rip Curl – Epata Tofino Pro, em maio campeonato MASCULINO de surfe
  • Everett Crowley Park Este destino é dentro de Vancouver e se destina a quem quer paz, sossego e tranqüilidade mas nāo é muito fā de aventuras ou enfrentar mosquitos e ursos. Localizado perto da Kerr Road, possui trilhas naturais para caminhadas de sem muita dificuldade e oferecem vistas magníficas de fazendas e campos em Richmond, cidade vizinha. O Everett Crowley Park é o 5o maior parque de Vancouver e curiosamente foi o principal aterro sanitário de Vancouver (o despejo de Kerr Road) de 1944 a 1967. Hoje é um santuário ecológico urbano.
Everett Crowley Park
Everett Crowley Park

Alberto Escosteguy

Vancouver Island: Nanaimo e suas Fadas Encantadas e o Hotel dos Espíritos Livres

Um boa dica de passeio em Vancouver é… sair de Vancouver. Não que tenhamos poucas opções por aqui. Ao contrário! Mas eu queria sugerir um passeio à Ilha de Vancouver, que nāo fica em Vancouver.
Para se chegar até lá podemos ir de transporte público, de balsa. A travessia até a ilha é agradável e leva 1 hora e meia, pegando a barca do BC Ferries.
Chegando lá, seu destino será a cidade de Sawartz Bay. De lá, ou você pode ir até a exótica cidade de Namaimo, onde encontrará pessoas que acreditam e conversam com fadas e duendes e vivem em uma das cidades mais “encatadas” do mundo.
Se voce quiser ir DIRETO de Vancouver para Nanaimo, pegue a balsa do Horseshoe Bay em Bowen Island, e a travessia dura apenas 20 minutos e tem barca de hora em hora! Confira os horários, dias e preços.
Vale a pena, explore Nanaimo!

    Outra atração que você dificilmente vai encontrar em sites de turismo de massa é o Hotel das Esferas dos Espíritos Livres. Calma, não tem nada de fantasmas! O Espírito aqui é no sentido indígena, o Espírito de liberdade. O hotel fica perto da capital Victoria e o nome em inglês é “FREE SPIRIT SPHERE”.  Sua localização exata é na aconchegante Qualicum Beach . O que há de diferente? Bem, o Free Spirit Spheres é o primeiro hotel com quartos esférico em galhos de árvores do mundo.

    É o único hotel no qual você pode se sentir verdadeiramente um passarinho dormindo no seu ninho. Você vai dormir em ninhos esféricos construídos em galhos fortes de árvores e vai acordar com passarinhos… no seu galho! Como você NÃO é passarinho, seu ninho é super confortável, com cama macia, ar-condicionado e todos os mimos, apesar de sua frente ser toda transparente, para que consiga se sentir dormindo no galho de uma árvore.

    Interior view of a Free Spirit Spheres treehouse is shown in Qualicum Beach on Vancouver Island in a handout photo.Climbing trees and building tree forts are common activities for kids, and often as kids grow up they give up their love for playing in the trees. Tom Chudleigh, on the other hand, has been building tree houses for 20 years. THE CANADIAN PRESS/HO-Tom Chudleigh

    O preço não é lá muito barato mas é uma experiência única. A diária começa por CAD175.
    Esperamos você na mágica Vancouver Island… que nāo fica em Vancouver ! 🙂


    Alberto Escosteguy

Breve viagem à Ásia

Começamos nossa jornada ao sudeste asiático de uma forma, digamos…intensa. Partindo de Vancouver, onde moro, peguei um vôo com conexões em Taiwan e Manila. De Manila segui para Singapura, o que no total levou pouco mais de 25 horas. Além do longo tempo de viagem, pesa o fato de eu cruzado a linha de mudança de data. Portanto, o que seriam 25 horas, fez com que eu chegasse em Singapura 3 dias depois.

Cansado e sem paciência para imigração, assim que o oficial me chamou, nossa conversa se deu da seguinte forma:

Oficial: Boa noite.
Eu: Oi.
Oficial: onde você mora?
Eu: Canadá.
Oficial: que cidade?
Eu: Vancouver.
Oficial: quanto tempo ficará em Singapura?
Eu: uns 20 ou 30 dias.
Oficial: (levantando as sobrancelhas): mesmo? Quanto dinheiro você tem aí?
Eu: comigo aqui? Nada. Mas tenho cartão de credito.
Oficial: Como você vai pegar ônibus, metro, comer algo rápido?
Eu: boa pergunta!
Oficial: onde está sua passagem de saída de Singapura?
Eu: ah, eu não tenho.
Oficial: …

Depois disso fui levado a uma sala para nova entrevista, onde acabei tirando foto igual um presidiário (aquelas que você fica encostado em uma parede como nos filmes de TV) e soube que eu não seria permitido entrar em Singapura. Três horas depois eu estava em um avião de volta à Manila, nas Filipinas, sem meu passaporte e meu Green Card canadense, os quais receberia quando chegasse… no Canada!

ATENÇÃO! Se você não possui residência permanente na Europa, EUA ou Canadá, desaconselho fortemente você fazer essas “traquinagens” na imigração. Eu sabia que que tinha um governo forte, respeitado no mundo todo que me acolheria e me representaria onde quer que fosse. E eles também sabiam. Resultado: não fizeram NENHUMA anotação no meu passaporte, e posso voltar à Ásia amanhã, se quiser.
Conselho: TENHA UMA ATITUDE EXTREMAMENTE RESPEITOSA NA IMIGRAÇÃO, TENHA PASSAGEM DE VOLTA, DINHEIRO VIVO, MESMO QUE POUCO, ALÉM DE CARTÃO(OES) DE CREDITO(S).


Alberto Escosteguy

Adeus à Asia

“mas você não se sente sozinho?”

Final do terceiro dia e chega a notícia que eu voltaria ao Canadá em um vôo direto para Vancouver. Sensação estranha que deu. Algo com estar triste de deixar bons amigos que eu havia feito em Manila. Todos me abraçaram, trocamos facebook e nos prometemos visitar. Essas promessas de um retorno que não acontecerá é parte do processo do viajante. Por mais que sejamos nômades e vivamos na estrada, também nos apegamos. E ao prometermos que nos veremos de novo, é tal como um elo que não se quebra. Um elo que não precisa de corpo para existir. O viajante sempre está com seus amigos na estrada. Sempre que você pensar em alguém que conheceu pelo caminho, pense com carinho, com amor, sorria sozinho, olhe para cima e mande seu amor para eles. Pode ter certeza que eles entenderão e receberão. Com a prática, você passa a receber o mesmo deles e algo como “fulano está pensando em mim” passa a ser algo trivial. Esta é a resposta para a pergunta que sempre fazem ao viajante: “mas você não se sente sozinho?” . Nós nunca estamos sozinhos. Nunca.

É hora de seguir em frente. Hora de mais um capítulo a ser escrito, mais uma estrada a trilhar, mais sorrisos, mais lágrimas, mais amor. É hora de viajar de novo.

Adeus, Ásia. Eu faria tudo de novo.


Alberto Escosteguy