Skip to main content

Adeus à Asia

“mas você não se sente sozinho?”

Final do terceiro dia e chega a notícia que eu voltaria ao Canadá em um vôo direto para Vancouver. Sensação estranha que deu. Algo com estar triste de deixar bons amigos que eu havia feito em Manila. Todos me abraçaram, trocamos facebook e nos prometemos visitar. Essas promessas de um retorno que não acontecerá é parte do processo do viajante. Por mais que sejamos nômades e vivamos na estrada, também nos apegamos. E ao prometermos que nos veremos de novo, é tal como um elo que não se quebra. Um elo que não precisa de corpo para existir. O viajante sempre está com seus amigos na estrada. Sempre que você pensar em alguém que conheceu pelo caminho, pense com carinho, com amor, sorria sozinho, olhe para cima e mande seu amor para eles. Pode ter certeza que eles entenderão e receberão. Com a prática, você passa a receber o mesmo deles e algo como “fulano está pensando em mim” passa a ser algo trivial. Esta é a resposta para a pergunta que sempre fazem ao viajante: “mas você não se sente sozinho?” . Nós nunca estamos sozinhos. Nunca.

É hora de seguir em frente. Hora de mais um capítulo a ser escrito, mais uma estrada a trilhar, mais sorrisos, mais lágrimas, mais amor. É hora de viajar de novo.

Adeus, Ásia. Eu faria tudo de novo.


Alberto Escosteguy

Mestres

Terceiro dia na “prisão” em Manila e cada dia ficava mais interessante. Decidimos que todos deveriam ter direito a comer decentemente. Conversamos com as funcionárias e eu e os alemães passamos comprar Mc Donald´s para todos (OK, eu sei que eu disse que iríamos comer decentemente. Ah! Dá um desconto, não seja tão chato! haha).

O exercício aqui era não se sentir o “salvador” de nada nem “melhor” que ninguém. Os alemães ajudavam muito. A mãe, durante uma refeição, olhando para uma das pessoas que comia com bastante avidez, falou bem pausadamente para mim: “você acha que estamos fazendo alguma coisa? Eles é que estão. Nós os alimentamos o físico. Eles nos alimentam a alma. Eles são nossos Mestres”.


Alberto Escosteguy

“Terra minha Mãe, Céu, meu Pai”

Chegando em Manila, nas Filipinas, o que eu achei que seria o horror dos horrores, já que fui levado para um lugar chamado “ Exclusion Room”, provou-se ser umas experiências mais interessantes de todas as minhas viagens.

Este slideshow necessita de JavaScript.

As surpresas começaram ao me deparar com oficiais de imigração, alfândega, funcionários do aeroporto etc. de uma gentileza ímpar. Todos perguntavam se eu estava bem, se precisava de alguma coisa e deixaram claro que eu não estava preso nem nada disso. Apenas, de acordo com as leis filipinas, eu deveria voltar ao meu país de residência permanente, que no caso é o Canadá. Entrei na tal sala com nome de filme de terror e tinha carregador para iphone, água, televisão… nada mal. Havia lá um ugandense que havia pedido asilo e foi recusado, e esperava não se sabe bem o que naquela sala, um camaronense deportado por trabalho ilegal, um chinês que não fala nada além de… chinês, então não sei qual o problema dele. O mais interessante, porém, foi após eu estar umas 4 horas por lá, a chegada de uma família alemã, pai, mãe uma filhinha de 3 anos de idade. Eles chegaram com roupas coloridas, cheios de instrumentos de musica balinesa e incensos. Eu pensei “isso aqui vai ficar bom”.

Assim que vi que eram alemães fui falar com eles (eu falo alemão) e, ao contrario de 99% dos alemães, não lhes causou surpresa nenhuma um latino começar a falar alemão fluentemente com eles fora da Alemanha. O caso deles parecia o meu, em certos aspectos: o pai, ao tirar foto para imigração a fim de entrar no país fez sinal de “legal” com o polegar e deu uma piscadinha, sorrindo. O oficial disse que ali não era circo e ele teria que ficar sério. Segunda tentativa e o alemão faz a mesma coisa. Nova bronca e na terceira tentativa ele ficou sério. Mas botou a língua para fora. Foram imediatamente impedidos de entrar no país e se juntaram a nós.

Eles estavam morando em Bali (onde mais?) e foram para as Filipinas para um workshop com animais que eu não entendi muito bem o que era. Passaram-se algumas horas e a mãe estendeu um tapete daqueles de praticar Yoga no chão, mais incensos, tirou os instrumentos de várias sacolas que carregava e disse em inglês para a sala toda: “isso aqui está muito carregado. Vamos tocar música e cantar!”. No inicio todos se entre olharam mas ela foi distribuindo os instrumentos pela sala e falou para mim em alemão “vê se me ajuda!”.  Eles começaram a tocar uma canção balinesa e em poucos minutos todos estavam cantando e tocando instrumentos. Jamais me esquecerei da música:

ana-nata, ana iê laiê
Terra minha mãe,
Céu meu pai,
Aia atan,
Water and Fire,
I am!
I am!”

O que posso dizer disso tudo é agradecer ao oficial de Sigapura por ter me devolvido a Manila. Ele jamais seria capaz de me dar o que a vida me presenteou nesses 3 dias na “prisão” nas Filipinas. Aliás, mês que vem já estou planejando voltar. Não para a prisão. Para as Filipinas.


Alberto Escosteguy

Anotações Pré-Embarque: Diferenças Culturais entre Ásia e Brasil

Um ponto essencial para quem viaja para o sudeste asiático é estar atento e respeitar as diferenças culturais e religiosas locais. Por ser uma regiāo muito rica em cultura e religiões é sempre bom se informar. Aí vāo algumas dicas básicas:

TAILÂNDIA

É sem dúvida o país mais liberal e aberto da regiāo. É chamado o paraíso dos Trans*, pois sāo famosas as cirurgias de mudança de sexo por lá, assim como a alta aceitação social aos chamados “ladyboys”. Mas o país também é conhecido pelo turismo sexual e, infelizmente, pelo turismo de pedófilos. A Tailândia tem combatido fortemente este fluxo predatório e perverso vindo sobretudo dos EUA e Europa. MONDO BLU e seus parceiros condenam veementemente tal prática e apóia as duras ações do governo tailandês contra estes criminosos.

Mas a Tailandia é uma país incrível. Nāo apenas por sua diversidade e a alta tolerância de sua sociedade, mas tambémpor ter um povo muito acolhedor. Além disso, por ser um país grande, você pode escolher o que prefere: se gosta de lugares bastante turísticos, com toda nfra-estrutura, praias lindas e muita aninação, seu lugar é no sul do país. Você vai se encantar com lugares tais como Phuket e Phi Phi. Já se você curte mais algo espiritual, conhecer templos e não tem praias como objetivo central, o norte do paí , além de ser bem mais barato, há menos turistas e tem um clima de paz incrível.

MALÁSIA

A Malásia é um país ainda pouco explorado turisticamente em nível mundial, embora bastante procurado pelo turismo regional. É um país lindo, com praias muito bonitas e pouco exploradas. Mas o maior atrativo é o fato de ser muito barato. Muito mesmo! Você pode ficar em um apartamento luxuoso com piscina etc. no AirBNB, por exemplo, em Kuala Lumpur (a capital) por U$ 40 dolares/dia.

Malásia

É um país muçulmano e muito conservador, portanto, atençäo ao fogo latino com seu(ua) namorado(a) em lugares públicos! Nāo é um lugar tão rígido quanto o Oriente Médio e mulheres turistas nāo precisam cobrir a cabeça.

Nāo há boa receptividade ao turismo LGBTQ e não são toleradas demonstrações públicas de afeto entre pessoas do mesmo sexo. País seguro para o turista, de um modo geral.

SINGAPURA

Singapura é um caso a parte. Para começar, a grafia correta é com “S”, em funçāo unificação ortográfica portuguesa. Singapura é o único país desenvolvido da região e é um dos menores países do mundo, uma “Cidade-Estado”. É conhecida por suas leis severas e um tanto peculiares. E elas sāo observadas!

Alguns exemplos de leis que se você for pego, nāo terá graça nenhuma. É proibido portar, mascar, vender o comprar chicletes. Você pode ir preso! É proibido cantar em público; É proibido ALUGAR QUARTO OU APARTAMENTO POR MENOS DE 6 MESES, OU SEJA, AIRBNB É PROIBIDO NO PAÍS! Sim, você vai encontrar Singapura no Airbnb mas saiba que estará quebrando a lei. Vá por sua conta e risco! É proibido beijar de forma “ofensiva” em público. Beijo na boca, só selinho! Homossexualidade é CRIME. A boa notícia: esta lei é apenas teórica e nāo é aplicada realmente. Há inclusive um pequeno bairro gay por lá. Mas nāo beije em público! Singapura é talvez o lugar mais High-Tech que você verá na sua vida. Há inclusive uma florseta eletrônica no centro da cidade!

O lado ruim é que é um lugar extremamente caro. Muito caro! É considerada uma das cidades mais caras do planeta, superando inclusive Londres!

BRUNEI

Outro país minúsculo e caro, mas se puder, vale a pena visitar. Brunei é um califado muçulmano e quem não respeitar os horários de oração vai para a cadeia.

Como turista, você nāo será preso, mas não terá muita receptividade dos locais. É um país muito limpo e muito seguro. Nāo existem consulados no Brasil e você precisa de visto, que pode ser tirado em algum país vizinho.

INDONÉSIA

Um dos destinos mais procurados da regiāo por causa da obviamente famosa ilha de Bali. Isso mesmo. Bali nāo é uma cidade. Bali é uma ilha, cuja capital é Dempasar. Um aviso: Bali nāo representa o que é a Indonésia! O país é bastante conservador, predominantemente muçulmano e com leis muito rígidas: entrar com drogas é um crime punido por fuzilamento e GBT’Q’s nāo são muito bem vistos.

Hanging Gardens – Ubud, Bali.

Tudo isso descrito acima nāo vale para Bali, uma ilha bem diferente do resto do país. De forma geral é um lugar bastante tolerante, promove casamentos LGBTQ’s, possui muitos templos. (muitos!) de religiōes que você nem sabe que existem. Se gosta de dessa praia, fique em Ubud, no centro da ilha, paraíso da Yoga e meditação. Se gosta de festas, sem dúvida sem lugar é em Kuta. Festas por lá acontecem todos os dias e em todas as horas. Todo tipo de festa. Todo mesmo! Uma boa notícia: Bali é uma ilha muito barata! E, sim, sāo de lá que surgiram os cigarros de Bali mesmo, e estão por toda parte.

Se você é LGBTQ ou gosta de festas, sugerimos fortemente que vá direto para Bali ao ir à Indonésia. Isto é tāo real que há vôos diretos para Dempasar de diversos pontos da Ásia.

FILIPINAS

Uma boa surpresa! Destino sub-explorado turisticamente, possui ilhas belíssimas, praias semi desertas e muito limpas, mar turquesa e… praias cor de rosa! Isso mesmo! Em funçāo da ação de corais, há algumas praias que têm areia cor de rosa! É um destino barato, com boa tolerância à diversidade e praticamente quase todo mundo fala inglês. Como sugestão, recomendamos a ilha de Cebu, ao norte de Manila.

Inambakan Falls, em Cebu.

Há ainda o Vietnam, o Camboja, Bangladesh, Butāo e Myanmar que ficam para futuros posts.


Alberto Escosteguy

Anotações Pré-Embarque: Fazendo o Roteiro e Como Voar Barato na Ásia

Um dos templos nas águas de Bali, Indonésia.

Estamos iniciando nossa próxima aventura e a primeira de nosso blog e o destino escolhido foi o sudeste asiático.

Há 2 formas de ser um verdadeiro nômade digital: para os mais experientes, vale a máxima “quanto mais leve, melhor”. Estes viajantes levam apenas o básico que qualquer pessoa utilizaria seja na Sibéria ou no Saara: escova de dentes, toalhas, roupas íntimas, um smartphone ou laptop para postar no blog outras pequenas coisas. Ou seja, eles não desacham bagagem! Isso mesmo!
A outra maneira de viajar, e é a melhor para os menos experientes, é escolher roupas e artigos pessoais que você necessitará por pelo menos 30 dias. Assim, despacha bagagem.

Nosso blogger e nômade digital escolhe a primeira opção mas isso depois de mais de 20 anos de estrada.

Bem, mas vamos falar de Ásia. O que vamos fazer é comprar uma passagem de ida e volta para um ponto de entrada e na Ásia ir comprando passagens de acordo com o roteiro que vai sendo construído na estrada. Desta forma, não se perde dinheiro e tempo comprando passagens caras e reservando hotéis/hostels que você pode nem ficar, acarretando em multas ou perda de 100% do valor pago. Então, a dica de ouro aqui é: planejar seu roteiro ao longo da viagem.

O importante é determinar um macro-roteiro:

  • países que se quer visitar;
  • interesses em cada país;
  • planilha de gastos aproximados em cada cidade nas DUAS MOEDAS: real e moeda local;
  • reserva garantida (pré-paga) no lugar onde vai iniciar seu roteiro por pelo menos 2 noites.

Chegando lá, vamos iniciar nossa jornada. Para quem também tem interesse na Ásia, vamos falar sobre as cias. aéreas mais baratas que você talvez não encontre nos grandes buscadores (google flights, skysnanner etc.).Vamos lá: Felizmente  há mais companhias aéreas baratas nos céus da Ásia do que em
qualquer outro continente do mundo e muitas delas não estão nos buscadores que você encontra no google. Fizemos uma lista após muita pesquisa de satisfação dos próprios passageiros em sites como Skytrax.

1 Skymark Airlines
Esta cia, aérea é baseada no Japão e oferece vôos regionais muito baratos. Tem boa avaliações.

2. Tiger Air
Cia. muito barata com voos saindo de Singapura, Bali, Bangkok e região.

3. Spicejet
Como o nome sugere, cia, baseada na Índia é muito recomendada para quem
quer voar na terrade Krishna.

4. AirAsia
Se você prefere surfe, festas na praia, meditação e yoga e muita gente bonita do mundo todo, seu destino na Ásia certamente é Bali. E para voar barato para Bali de várias cidades na Ásia, Air Asia é uma ótima opção.
Esta lista apresenta as principais linhas aéreas alternativas na Asia, mas há outras !

Agora é planejar a viagem e boas ondas!


Alberto Escosteguy