Skip to main content

Vamos fazer um resumo de nossas dicas de viagem ate agora?

Nesta vida de nômade digital, eu já comprei, reservei, alterei, cancelei e confirmei inúmeras viagens em 4 continentes do planeta (só falta a África). No início das postagens e na nossa página do Facebook, já falei bastante sobre as melhores e mais baratas formas de viajar. Resolvi, contudo fazer um “resumāo” neste post, como se fosse uma “revisāo literária do viajante”. Os sites listados são exatamente os que eu sempre uso quando viajo. Se estāo aqui, eu os recomendo e tenho certeza que nāo sāo uma roubada. Eles são os mais conceituados nos Canadá e EUA. Entāo, vamos lá!

Passagens Aéreas

MOMONDO

Este é o buscador favorito de todos os viajantes profissionais e sites de avaliaçāo como o TripAdvisor. Você sempre encontrará as melhores ofertas da internet e fora dela. A busca pode ser em formato de calendário, permitindo que você veja quais são as datas mais baratos para voar. O ponto alto deles é o fato de buscarem em pequenos sites locais de reserva que ninguém mais faz. Sem dúvida, o melhor !

 

KAYAK

Claro que este você conhece! Um ótimo buscador de voos… para tarifas saindo dos Estados Unidos! Pois é! Eles pesquisam uma grande variedade de companhias aéreas e em outros buscadores (o Kayak é o que chamamos de buscador de meta meta). Sem dúvida, um excelente site para procurar por passagens aéreas baratas… se você sair dos EUA.

 

AIRTREKS

Esta empresa talvez você nāo conheça, se nāo costuma viajar muito. Eles sāo líderes em passagens ao redor do mundo, as chamadas “RWT” ou “Round The World Ticket”. Esta passagem permite você traçar um roteiro longo, como por exemplo: Sāo Paulo= Lima- Los Angeles-Toykyo- Bali- Nova Dehli- Tel Aviv- Roma- Sāo Paulo,com um preço que você se espantaria. Nāo é muito comum brasileiros fazerem este tipo de viagem, mas no primeiro mundo é quase um rito de passagem entre o final do ensino médio e início da universidade:os jovens compram estes bilhetes e passam de 6 meses a 2 anos viajando. É raro o garoto entrar direto na universidade. Isso é coisa de brasileiro. Aliás, devíamos seguir esse exemplo. Os mais freqüentes usuários de RWT sāo os alemāes (campeões!), australianos, holandeses, neo zelandeses e em menor número, americanos. Um roteiro como este que eu descrevi, pode sair por volta de CAD 4,500, todo o trajeto.

 

Skyscanner

Este você também deve conhecer. Um ótimo site, sobretudo se você vai viajar para o CANADÁ ou para a EUROPA. Vale a pena pesquisar por lá.

 

Google Flights

Um dos melhores sites de busca de voos do mundo, o Google Flights permite que você insira seu aeroporto de partida e veja vôos partindo de lá para todos os lugares do mundo em um mapa no qual fica fácil escolher o destino mais barato. O site sugerem também datas diferentes para vôos mais baratos. Se você nāo decidiu para que país quer ir, nāo tenha dúvidas: esta é sua melhor pedida. O ponto negativo é que o aplicativo deles, ao menos para iOS, nāo é muito amigável para o usuário.

 

Decolar

Um site de buscas presente em todo o mundo mas especializado no país do cliente. Ou seja, se você quiser voar NO BRASIL, esta é uma ótima pedida. Se quiser América do Sul, até recomendo. Fora isso, pesquisa mais. Os preços sāo convertidos para Reais e nāo incluem as taxas, que aparecem no final da compra.A vantagem é que permite parcelamento no cartāo mas o Skyscanner versāo .br também.

 

Expedia

Este site, baseado nos EUA, talvez seja o mais conhecido do planeta. É um com certeza um excelente buscador, mas sua interface pode confundir o viajante, em funçāo da elevada quantidade de informaçāo em uma mesma tela. O interessante é que eles foram os pioneiros em vendas de passagens on line, e merecem o crédito por isso. A desvantagem é que por ser um gigante e muito popular, os preços acabam nāo sendo sempre os melhores e a insistência para você reservar hotel e alugar carro no seu destino é bem desagradável.

Acomodaçāo

Existem incontáveis buscadores de hotéis, Hostels, pousadas, campings e muito mais, sejam universais ou especializados em determinado nicho, como por exemplo, somente para mochileiros ou somente para casais da terceira idade. Por isso, listem os que eu pessoalmente uso e confio.

.

Airbnb

A meu ver, a melhor alternativa de acomodação. O site lista proprietários que alugaram suas casas ou apartamentos (ou quartos, ou sala, ou barco ou até ônibus ! Sim, eu já vi!) para você. A proposta é proporcionar todos o conforto de uma casa e a oportunidade de ficar em uma local onde os locais moram, muitas vezes até em áreas não turísticas. O preço normalmente é bem mais barato que um hotel convencional. Uma grande vantagem: se você é novo no Airbnb, ganha US$ 35 dólares de desconto em sua primeira estadia.Em muitos países, como a Malásia ou Bolívia, pode significar sua estadia PAGA pelo Airbnb, em funçāo do câmbio do dólar.

.

Agoda

A nāo ser que você já tenha ido à Ásia ou o menos pesquisou sobre viagens para lá, é provável que você nunca tenha ouvido falar. Pois saiba que AGODA é simplesmente a melhor alternativa de busca de acomodação para Ásia e Sudeste Asiático, incluindo a Rússia asiática. Se você vai para o extremo oriente, nem perca tempo em procurar em outros lugares. Eles têm o inventário de hospedagem mais robusto do mundo para a Ásia e oferecem as melhores tarifas a preços assustadoramente mais baratos do que os buscadores ocidentais.

 

.

Booking.com

O Booking.com oferece um ótimo site com opções das mais variadas possíveis. Eu gosto muito da sua interface, que é muito fácil de pesquisar, possui ampla seleção de hotéis e o melhor de tudo: você pode nāo pagar nada na hora da reserva e só fazê-lo no check in, mesmo sem usar o cartāo de crédito que você forneceu no site. Eles são especialmente bons e muito recomendados para hospedagem em países em desenvolvimento. Para o primeiro mundo há opções melhores.

.

Hostelworld

O melhor site de acomodação para Hostels do mundo. Eles têm o maior inventário, amelhor interface de pesquisa e maior disponibilidade de reservas. Eu sempre uso-os para todas as minhas reservas em Hostels.

.

Couchsurfing

Este site permite que você se hospede em “sofás” (couch) na casa das pessoas ou mesmo em quartos, salas, redes, sacos de dormir, tatame e até em cordas formando uma cama suspensa (eu fiquei assim em Berlim). A melhor parte: gratuitamente! É uma ótima maneira de economizar dinheiro enquanto conhece os costumes locais e fica na casa de pessoas que moram na cidade. A ideia nāo é só hospedagem: é a interaçāo com os anfitriões. Em Berlim, onde eu fiquei, era uma apartamento enorme onde moravam um monte de hippies de 16 a 30 anos, e saíam toda noite! Haja fôlego! Eles também eram adeptos do “poli-amor” entāo… deixa pra lá… Eu usava muito esse site e sou um dos pioneiros no Brasil (me deram até o selo “Pioneer” Hahaha). Uma vez, no reveillon, hospedei em meu antigo apartamento de 90 metros quadrados nada menos do que 19 pessoas, de 6 países! Foi… deixa pra lá também.

.
Acho que você já sacou a proposta do CS: ampliar sua rede de contatos. De 1o, 2o, 3o 4o, 5o… graus. 🙂

Galera, em resumo é isso aí. Acho que demos uma boa percorrida em várias formas de buscas de de passagens e hospedagem online. Agora pegue sua malinha e… zarpe!


Alberto Escosteguy

Como viajar sem gastar nada e ainda ajudar os locais

Neste post vamos explorar formas de viajar sem gastar nada e, às vezes, até ganhando para viajar. Por isso faremos uma pausa em nossa série sobre o Canadá, retornando no post seguinte.

.
Viajar requer planejamento e disciplina, sob o risco de se gastar todo o dinheiro guardado em poucas semanas. É espantoso como US$1000 podem evaporar na estrada em poucos dias se nāo houver planejamento.

.
Uma das formas de se planejar viagens bem sucedidas é basicamente seguir a fórmula da multiplicaçāo dos dólares: juntar dinheiro no primeiro mundo e usá-lo no terceiro. Mas como fazer isso?

.
Há algumas maneiras bastante eficientes para se ter sucesso neste planejamento em viagens aos EUA, Canadá, Europa, Japāo, Austrália e Nova Zelândia. As principais sāo:

1) Couchsurfing (https://www.couchsurfing.com)
Uma das mais tradicionais formas de viajar sem pagar hospedagem. Você se cadastra na comunidade e se hospeda a curto prazo em casas de pessoas que estāo dispostas a recebê-lo. A filosofia do CS é ampliar sua rede de contatos, trocar experiências e conhecer novas culturas. A ideia nāo é substituir o hotel pela casa do anfitriāo, entāo use esta forma de viagem se você quiser sair e conviver com locais. Há casas que só aceitam viajantes solo ou casal e outras que aceitam famílias inteiras. O ideal é se planejar para ficar de 5 a 10 dias.

2) House Sitting: é uma modalidade nova e que vem crescendo espantosamente rápido nos EUA, Canadá e Austrália, embora já exista em vários outros lugares. A proposta é você cuidar da casa de alguém que vai viajar. Quase sempre a principal tarefa é cuidar do animal de estimaçāo. Seria como se você morasse na casa. A responsabilidade é grande e você deve ter o mínimo de experiêcia com animais domésticos, quase sempre cāes. Normalmente as casas sāo muito confortáveis e de pessoas com alto poder aquisitivo. Você nāo precisa ficar preso na casa. Como eu disse, é como você fosse o morador. Em países como Canadá e Nova Zelândia, o compromisso de confiança mútua é parte da cultura e a má índole é a exceçāo, ou seja, sāo lugares mais fáceis de se conseguir esta forma de hospedagem. Há algumas comunidades de house sitting nas quais você pode se cadastrar. Eu aconselho a “Mind My House” (https://www.mindmyhouse.com/sitters/assignment_locations) ou a Trusted Housesitters https://www.housecarers.com/?hop=jwelcome). Há também um website de comparaçāo de vários servidores de house sittings:https://www.housesittingguide.com

2) Paid House Sittings:
(https://www.housesittersamerica.com/sitters/register)
Esta modalidade você nāo apenas nāo gasta com hospedagem, mas você RECEBE para viajar. O dono da casa paga uma diária para você. Muito usada nos EUA, alguns proprietários preferem, pois cria-se um compromisso financeiro na sua estadia.

3) Work & Stay:
Esya modalidade requer mais tempo em cada lugar, por volta de 1 a 6 meses e às vezes até mais. Ela começou há mais de 20 anos com a comunidade WOOFER, especializada em fazendas e áreas rurais, muito ativa ainda hoje. Você se cadastra e oferece seus serviços em fazendas ou similares em troca de hospedagem e alimentaçāo. A ideia nāo é apenas turismo, mas sim a convivência com famílias locais e conhecer a forma de vida, cultura e costumes da regiāo. Outro objetivo é você aprender coisas novas, desde como cuidar de rebanhos e plantações até como administrar uma propriedade rural de grande porte.

.
Outras duas comunidades, apesar de também oferecerem oportunidades em áreas rurais, sāo mais recentes e focadas bastante em zonas urbanas. Os voluntariados podem ser em apartamentos em Manhattan ou Paris até e principalmente trabalhos voluntários em hotéis e Hostels ao redor do mundo. No Canadá e Austrália é muito comum ser oferecida ajuda de custo em dinheiro, que vāo desde quantias para locomoçāo na cidade até salários mensais. Sendo pago, o voluntário deve possuir permissāo de trabalho no pais.

.
Já existem as três comunidades no Brasil, mas ainda nāo funcionam de forma tāo eficiente quanto no Canadá e Europa.

Os sites sāo:

Woofer: cada país possui seu próprio site mas o site aglutinador é http://wwoof.net

Workaway: https://www.workaway.info

HelpX:h ttps://www.helpx.net/index.asp

4) Voluntariado na ONU:
(https://www.unv.org)
Denominado turismo humanitário, o objetivo NĀO é simplesmente conhecer lugares novos e tirar fotos. Aqui, a proposta é você ajudar projetos da ONU em andamento NO TERCEIRO MUNDO, incluindo Brasil. A vantagem é você poder usar suas qualificações profissionais em seu voluntariado (engenharia, psicologia, enfermagem, fisioterapia, educaçāo física entre outros) e usar a experiência em seu currículo profissional. A desvantagem (para mim este é na verdade um dos aspectos mais interessantes) é que você nāo escolhe o lugar que vai nem quando vai. Evidente que há uma tentativa de encaixá-lo na regiāo geográfica de sua escolha e sua data desejada mas não há garantias. O padrāo e que, se você morar em um país de terceiro mundo, será neste mesmo país que você será designado e, se possível for, inclusive para sua própria cidade. Mais uma vez, nāo é uma certeza mas é o padrāo.
Se você morar em um país de primeiro mundo, o lugar de destino vai depender de vários fatores, tais como: domínio da língua local, escassez de profissionais da sua área de atuaçāo, adaptaçāo sócio-cultural mais fácil e conformidade com as leis e costumes locais (por exemplo, se você for LGBTQ, dificilmente você iria para o Irã).

5) Médecins Sans Frontière
( http://www.msf.org)
Com certeza você já os viu na TV (“you are not alone”) pedindo contribuições financeiras. Esta é uma organizaçāo muito séria e extremamente comprometida com populações muito pobres ou vítimas de catástrofes naturais, fome extrema, epidemias e/ou guerras. Apesar do nome, nāo sāo apenas médicos que podem se voluntariar. Existem oportunidades para enfermeiros, psicólogos, fisioterapeutas e até economistas. A diferença aqui é que você necessita ter experiência comprovada na sua carreira, normalmente de no mínimo 5 anos e você poderá ir para a Síria, Palestina, Sudāo do Sul ou regiões em calamidade pública afetadas pela seca no Brasil.

Estas sāo as principais modalidades de viagens sem custo nenhum (a nāo ser a passagem, com exceção das duas últimas, que a passagem também está incluída) para todos os gostos e disposições. Escolha a sua e vamos fazer este planeta um lugar melhor!


Alberto Escosteguy

Planejando-se financeiramente em Vancouver

Vancouver, como já dissemos, é uma das cidades mas caras do planeta. Mas nem todos que vivem aqui são milionários. Como eles fazem para viver e se divertir aqui? É sobre isso que trata este post.
Já falamos extensamente sobre a geografia econômica da cidade, mas nāo custa lembrar que se você quiser ficar no West e no centro, prepare o bolso! Nada por menos de CAD2,800/mês será muito fácil de achar. Assim, tendo em vista EAST VAN (o leste) vamos lá:
Traga pelo menos CAD1,500 e abra IMEDIATAMENTE uma conta bancária. USE UM BANCO CANADENSE, e não estrangeiros. Isso te dará mais vantagens, tais como milhas na Air Canada a cada gasto que fizer, taxas mais baixas e ATM’s em cada esquina. JAMAIS tire dinheiro de um ATM que não seja do SEU banco, a nāo ser que você queira pagar altas taxas de “empréstimo” dos serviços do outro banco. A minha conta é no RBC (Royal Bank of Canada). As taxas sāo bem convidativas, e possuem saques ilimitados em ATM’s e é um dos únicos que possui agência nos aeroportos, o que para um viajante faz toda diferença. Outros bancos interessantes são TD Canada Trust, CIBC e Scotiabank.
Se você for estudante, em qualquer destes bancos mencionados, terá um ano livre de tarifas de manutenção da conta e um cartão de crédito com limite de CAD 1,000 sem precisar comprovar renda nenhuma. Nāo há limite de idade para se ter uma conta de estudante no Canadá. E… não, estudante de inglês do cursinho do intercâmbio não vale! Só vale ensino médio (no Canada) ou faculdade. SE VOCÊ NĀO É MUITO CONTROLADO COM SUAS FINANÇAS ABSOLUTAMENTE NÃO ACEITE O CARTÃO DE CRÉDITO DE CARA! Razāo: tudo será novo para você, que ainda não conhece como funciona a dinâmica da sociedade norte-americana e, por isso, provavelmente irá estourar o cartão. Além disso, o fato de os juros por aqui serem de 4% ou 5% AO ANO para cartão de crédito (os juros de mercado flutuam entre menos de 1% a 1% ao ano) pode fazer você não se importar muito em rolar a dívida.


Acontece que nos EUA e Canadá, não existe SPC e SERASA. Você não fica com “nome sujo“. Isso nāo existe por aqui. Todavia, eles adotam um sistema similar a suas notas na escola: quanto melhor você administra suas contas, maior a sua nota e quanto mais dívidas ou pagamentos feitos sempre no dia do vencimento, pior será sua nota. Você nunca será “reprovado” (a não ser que decrete falência pessoal) mas cada vez que quiser fazer QUALQUER COISA, tal como alugar uma casa, comprar um carro, ou as vezes até mesmo arrumar um emprego, eles vāo querer saber se você tem sido um bom aluno na escola das finanças.


Voltando ao planejamento, traga CAD1,500 no mínimo em cash. Por segurança, eu começaria com CAD3,000 mas vai de cada um. O aluguel mais barato, dividindo com um “roommate“, será de CAD600 por cabeça para um apartamento de um quarto no leste. Dois quartos, pense em CAD 800 por pessoa. No apartamento já terá fogão, geladeira e aquecimento (para o inverno).


Onde procurar aluguel? EVITE Craigslist e Kijiji ! ! Haverá muito pilantra por lá e muita gente boa. Como você não conhece nada, evite. Com o tempo, rapidinho você aprende a identifica-los. Minha sugestão é você chegar já com um quarto alugado no Airbnb por no mínimo 15 dias ou, melhor ainda, Couchsurfing. No Airbnb, muito provavelmente, se você não chegar no verāo, e disser que está procurando um lugar para ficar, a pessoa vai te propor um valor mensal e você fica por lá mesmo. Caso contrário, se inscreva nos excelentes sites https://ca.easyroommate.com ou https://www.roomster.com.


Evite hotéis em Vancouver. Sāo caríssimos! Por enquanto é isso.


Alberto Escosteguy

Como ser aprovado como voluntário no Canadá

Este slideshow necessita de JavaScript.

O turismo de voluntariado tem crescido enormemente nos últimos anos com tanta rapidez que já existe até nome para esta modalidade de turismo: “volunturism“. Há também os primeiros estudos acadêmicos sobre o assunto. Tais estudos apontam para as principais causas do aumento surpreendente do “voluntarism” -questões como a crise econômica global, o fenômeno de afastamento das pessoas em função das mídias sociais, onde cada vez menos temos contato real com outras pessoas e o aumento do interesse em um turismo sócio-cultural, em detrimento do antigo “ver cartões postais ao vivo”.

Por que estamos tendo esta conversa acadêmica chata, se o tema proposto é como se dar bem na sua candidatura de voluntariado no Canadá?

Exatamente por isso! A primeira pergunta que seu ” host” (a pessoa que irá te hospedar) fará será, impreterivelmente: “por que você se interessa em ser voluntário(a)? Sua resposta deve conter pelo menos UMA das razões acima.

Mas o principal não é isso. O fator decisivo de sua aprovação será sua legitima vontade de ser voluntário. Sem esta vontade genuína, esta experiência fantástica pode se transformar em um fardo e em dias muitos chatos. Se sua intenção é tão somente um lugar para ficar sem pagar e/ou conhecer gente nova, aconselhamos fortemente que você tente a comunidade de CS (Couchsurfing) ou o Airbnb na modalidade de “quarto compartilhado”.

Já se você quer realmente ajudar alguém ou alguma causa, conhecer como vivem as pessoas que moram naquela cidade, então o “volunturism” é para você.

Além do que foi dito acima, é essencial, para ser aprovado no Canadá:

  • Ter visto de entrada – esta é uma questão importante. É muito comum pessoas me perguntarem se precisam de visto de trabalho. Não, você não precisa. O TURISMO VOLUNTÁRIO NOS EUA E CANADÁ NÃO É CONSIDERADO TRABALHO E VOCÊ ESTÁ PROIBIDO(A) DE SER REMUNERADO(A) PELO VOLUNTARIADO PRESTADO.
  • Não ter intenções de imigração – O voluntariado NÃO lhe ajudará em nada caso seu objetivo seja a imigração, já que você, apesar de voluntário, será ainda um TURISTA e como tal, não há possibilidade de alterar seu visto. Se você quer imigrar, consulte https://catracalivre.com.br/geral/rede/indicacao/entenda-o-sistema-de-imigracao-canadense/ ou faça a simulação de elegibilidade no site da imigração canadense: http://onlineservices-servicesenligne.cic.gc.ca/eapp/eapp.do;jsessionid=D6FB69196FEF109F19D9BDE30B7E4D37.
  • Ter disponibilidade de tempo – esteja preparado para passar pelo menos 3 meses no Canadá. Há hosts que aceitam que você fique apenas 2 semanas ou 1 mês. E outros que pedem 6 meses! A média são 3 meses.
  • Esteja aberto a fazer trabalhos manuais, independente de sua formação acadêmica – normalmente será pedido de você que faça trabalhos manuais tais como carpintaria, arrumar quartos de hostels, pintura de paredes etc., sobretudo de você não falar inglês ou francês, no Québec.
  • Não precisa falar inglês/francês! – Muita gente desiste de ser voluntária(o) porque não domina o idioma local. Um dos maiores benefícios deste tipo de turismo é exatamente este: aprender novos idiomas e novas culturas! Garanto que se você passar de 3 a 6 meses no Canadá, voltará com uma ótima proficiência em inglês/francês.
  • Deixar o Brasil no Brasil! – por fim, esta dica é essencial. Se você for morar em outro país esperando que os outros compreendam sua cultura, não vá! Esteja aberta(o) a apreender novas culturas e abrir sua mente!

No mais, é se jogar e ser feliz !

Boa viagem !